segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Lixo

Lixo espacial

 Detritos em órbita oferecem risco à exploração do espaço

José Renato Salatiel*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
O lixo resultante da ação humana não polui somente terra, ar e oceanos. Desde que o primeiro satélite artificial entrou em órbita, há mais de meio século, os detritos espaciais acumulados em órbita do planeta se tornaram um problema para a vida na Terra.

Estima-se que mais de 19 mil objetos maiores de dez centímetros, além de outros 500 mil menores, compõem uma nuvem de lixo espacial ao redor da Terra. Eles provêm de foguetes e satélites desativados, fragmentos de naves e até ferramentas usadas por astronautas.

Os riscos de um destes objetos cair na Terra e atingir uma pessoa são remotos. Porém, os detritos podem colidir com satélites em operação e missões tripuladas, prejudicando a exploração do espaço.

Segundo a Nasa (agência espacial dos Estados Unidos), cerca de 200 entram na atmosfera terrestre todos os anos e se desintegram após entrar em combustão. Alguns, no entanto, podem atingir o planeta. Foi o que aconteceu no dia 24 de setembro, quando restos de um satélite desativado caíram no Oceano Pacífico.

O UARS (Satélite de Pesquisa de Alta Atmosfera, na sigla em inglês) foi lançado em 1991, pelo ônibus espacial Discovery, com a missão de estudar a camada de ozônio. Ele foi “aposentado” em 2005, após ficar sem combustível. O satélite tinha o tamanho de um ônibus e pesava seis toneladas, sendo o maior a retornar à Terra em três décadas.

Na reentrada da atmosfera, o UARS se esfacelou. Mesmo assim, cerca de 500 kg de peças chegaram até o oceano.

Os cientistas haviam avisado que as chances de fragmentos atingirem áreas povoadas eram remotas. A razão disso é que 70% do planeta é coberto de água, sem contar as regiões desérticas.

De acordo com a Nasa, não há registros de ferimentos causados pela queda de detritos vindos do espaço. O único caso conhecido de uma pessoa atingida por entulho espacial aconteceu em 1997. A americana Lottie Williams foi alvejada no ombro por um pedaço de foguete, sem sofrer ferimentos.

O lixo espacial é produto do avanço tecnológico. Satélites de telecomunicações, mapeamento por GPS e previsão meteorológica possuem um tempo de vida útil que pode ser de até uma década. Após serem desligados, são deixados em órbita, devido ao alto custo de resgatá-los para governos e empresas. Tornam-se “ferro-velho” no espaço.

No começo do mês, um relatório do Conselho Nacional de Pesquisa alertou para os perigos do aumento de detritos, o que poderia danificar espaçonaves e satélites em funcionamento.

Acidentes

Apesar de nenhuma tragédia ter acontecido, incidentes ocorrem com certa regularidade. Em 1996, o satélite militar francês Cerise foi praticamente destruído por um pedaço de metal proveniente de um foguete lançado dez anos antes. Ônibus espaciais e até o telescópio Hubble já sofreram reparos por conta do problema.

Em 2009, o satélite russo Cosmos-2251, lançado em 1993 e, na época, desativado, colidiu com o satélite de comunicações americano Iridium 33. Foi a primeira maior colisão de satélites artificiais na órbita terrestre. Vários detritos foram gerados pelo choque, que destruiu o satélite russo.

No caso mais recente, em junho deste ano, seis astronautas foram obrigados a abandonar a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) em razão de um alerta de colisão com entulhos.

O pior cenário é a chamada Síndrome de Kessler. Segundo o consultor da Nasa, Donald J. Kessler, a colisão de detritos poderia causar uma reação em cadeia – uma peça fragmentando a outra em pedaços menores –, formando um cinturão de lixo que inviabilizaria a exploração espacial.

Hoje não existe nenhuma tecnologia que permita a “limpeza” do espaço. Os custos de uma operação de remoção dos materiais são muito altos. Além disso, há questões políticas, envolvendo propriedade e a responsabilidade de governos e empresas que colocam os aparelhos em órbita.

Em 2007, os chineses desenvolveram um satélite que destruiria outros, desativados, mas a experiência foi um fracasso: um deles se desintegrou em dois mil pedaços, agravando o problema.

Recentemente, cientistas propuseram o lançamento de um satélite que acoplaria motores propulsores aos resíduos para que eles fossem levados até a atmosfera, onde se desintegrariam. Outras propostas incluem redes metálicas gigantes, canhões lasers e fios condutores de cobre inseridos em satélites para que pudessem ser atraídos pelo campo magnético da Terra.

Mas talvez a maneira mais simples seja a programação para que os dispositivos, uma vez obsoletos, sigam as chamadas “órbitas-cemitérios”, permanecendo à deriva num espaço seguro, longe do planeta.

O Brasil, que possui satélites de comunicações e científicos em órbita, também tem sua parcela de responsabilidade pelo lixo espacial.

Fonte: http://vestibular.uol.com.br/atualidades/

86 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todas estas informações vemos que o grande número de naves ou ônibus espaciais colocados no espaço estão causando uma grande polêmica, pois existem muitos que foram desativados e permanecem no mesmo lugar o que acaba aumentando o número de entulhos e causando os conhecidos lixos espaciais. Estes mesmos têm causados acidentes e acaba se tornando um risco para algumas pessoas que vão fazer pesquisas, mas não se restringe somente a isso pois satélites que estão desativados também trazem o risco de colidir com outros satélites como foi o caso que aconteceu em 2009 citado no texto.
      Agora cientista estão em busca de máquinas que possam retirar os lixo espacial, mas é algo que até os dias de hoje não foi realizado com sucesso.

      Patricia Araujo,2ºEM- General Osorio.

      Excluir
  2. A situação do lixo espacial atual, também chamada de poluição espacial, só tende a piorar daqui para a frente, pois desde o lançamento do primeiro satélite, o russo Sputnik, estima-se q foram lançados mais de 4600 em órbita, tendo atualmente aproximadamente 800 em atuação, pendendo a também virar sucata em aproximadamente 10 anos. Para evitar o agravamento, é estritamente necessário o desenvolvimento de tecnologias para a retirada dos destroços.

    Luciana Tiemi Sasaya, 2ºEM A - General Osório

    ResponderExcluir
  3. Como pode ser conferida na matéria, hoje, há muito lixo espacial, decorrentes dos avanços tecnológicos na área de pesquisa aeroespacial, podendo citar o caso do satélite que após um certo tempo de uso torna-se inoperante e junta-se a essa massa de objetos inutilizáveis pelo fato de serem substituídos por novas tecnologias.
    Com uma tecnologia de armazenamento e realocamento destes dejetos seria uma solução para o acúmulo dos mesmos em torno espacial da terra.

    Emília Balan 2ºano A

    ResponderExcluir
  4. Devido à Corrida Espacial, muito satélites e ônibus espaciais foram lançados para facilitar nossa vida, contribuindo para a descoberta de novas informações. No entanto, isso acabou gerando um problema, o lixo espacial, se não forem tomadas medidas para amenizar essa situação,esse problema poderá tomar grandes proporções no futuro sendo difícil a sua solução. A tecnologia para "limpar o espaço" ainda não está desenvolvida pois exige um gasto tão grande tornando-se inviável tecnicamente e economicamente. Seria adequada, a descoberta de um meio, não tão caro com as ideias que existem atualmente, para poder ao menos amenizar esse lixo espacial, para que o mesmo não gere maiores problemas no futuro.

    Escola General Osório
    Rafaela Lima 2° A

    ResponderExcluir
  5. Uma vez William Shakespeare disse: "Existem mais coisas entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia". Bem, ele estava certo, há mais lixo no espaço que imaginamos. A situação na qual se encontra nosso espaço sideral é lamentável. É triste saber que nem lá está isento da sujeira criada pelo homem. O pior é o risco (mesmo que remoto) de, hipoteticamente, estarmos andando na rua e sermos surpreendidos por uma sucata espacial em nosso ombro ou caindo ao nosso lado. Pode-se dizer então que nenhum lugar será suficientemente seguro do lixo humano. Nem aqui nem no espaço.

    Larissa Yukimi - 2o. ano B (EM) - General Osório

    ResponderExcluir
  6. É incrível a quantidade de lixo que há hoje no espaço. E essa situação só tende a piorar daqui para frente. Em consequência da Corrida espacial, ônibus espaciais e satélites foram enviados ao espaço para fornecer novas descobertas sobre o universo para o ser humano. Mas infelizmente isso acabou gerando um grande problema, a poluição espacial. Pelo menos os riscos desses objetos caírem na Terra são remotos, pois a maioria se desintegra após entrar em combustão. Mas como em todas as situações, essa também tem suas exceções, como em um caso em 1996, o satélite militar francês Cerise foi praticamente destruído por um pedaço de metal proveniente de um foguete lançado dez anos antes.

    Fernanda Zanatta 1° ano B

    ResponderExcluir
  7. O lixo espacial torna-se um problema, tanto para os exploradores do espaço quanto para os habitantes da Terra, quando é acumulado em excesso. Isso já acontece na órbita do nosso planeta e é prejudicial às missões espaciais. As camadas dos metais e derivados são duradouras e podem formar uma barreira impedindo as expedições para fora do planeta. Assim como, se um desses detritos cair em terra firme há a chance, remota, de acertar uma pessoa. Os órgãos, como a NASA, que enviam satélites e outros aparelhos para a órbita terrestre devem se responsabilizar para sua remoção quando desativados. Os recursos para remover o lixo espacial podem ser altos, mas é de responsabilidades das empresas exploradoras do espaço arcar com as consequências de suas expedições.
    Vitória S. Fahed – 3º ano E.M. – Escola General Osório

    ResponderExcluir
  8. Certamente, existe muita coisa no universo que nem imaginamos que exista, ah pesquisas que no ano de 1960 existia menos de 1000 objetos no universo, quase 50 anos depois existem em torno de 16000 mil objetos espalhados pelo universo. Isso pode piorar, e provavelmente vai piora, pois o que tem de objetos entrando na orbita da Terra podendo cair sobre nossas cabeça, cerda de um objeto todo o dia. Mas isso com a tecnologia avançada pode ser que se torne revesa, fazendo com que tire o lixo espaçial.

    Vinicius Alves Frandoloso 2°B EM EGO

    ResponderExcluir
  9. Alem de perigosos, os lixos espaciais aumentam gradativamente seu numero a cada ano, tornando assim uma espécie de praga que fica mais alarmante a cada dia. Medidas de retirada dos mesmos do espaço ainda não são possíveis com as tecnologias existentes, porem medidas de redução e a programação desses satélites para que uma vez obsoletos, sejam mandados para as "orbita-cemitérios", são medidas possíveis que podem ser tomadas pelo governo, mas que para isso ocorra é necessário possuir no mínimo bom senso.

    Dilson Maurer Junior 2ºB // E.M. Escola General Osório.

    ResponderExcluir
  10. De acordo com notícias, o espaço está ficando igual ao planeta: o homem o poluiu cada vez mais sem pensar nas consequências. O que deveria ser feito é um acordo com todos os países onde tais se comprometeriam a desenvolverem tecnologias que resolvesse o problema do lixo espacial antes das naves serem lançadas, ou seja, cuidar do problema aqui na Terra onde o manuseamento é mais fácil e não apresenta tantos riscos.
    Os países deveriam ser responsáveis por suas próprias missões e lançamentos, pois todos os governos não estão pensando na hora de lançar seus foguetes e só estão vendo o problema depois que ele já está ocorrendo e isso está gerando um encarecimento na manutenção dos programas espaciais, um encarecimento que os governos não estão dispostos a pagar.
    Aluno: José Augusto Nº 11 2ºB

    ResponderExcluir
  11. Todos esses detritos no espaço são fruto da ambição do ser humano, nao por sede de novas descobertas mas também pela sede de dinheiro, como ocorrido na corrida espacilal. Mas por que se conhece mais o espaço do que o centro da terra?

    ResponderExcluir
  12. Um problema muito sério devido não só ao risco de queda em cidades, mas também em florestas ou no mar; o mundo hoje não precisa de mais desmatamento ou queimadas e quanto à queda no mar, esses objetos ainda tem óleo e outros resíduos poluentes.
    Com certeza um problema que deve ser solucionado antes que se torne ainda mais grave. Cabe a população de país cobrar de suas governantes soluções eficazes.
    Gabriel Saddi, 2 ano A

    ResponderExcluir
  13. É um fato muito complicado a lidar com o lixo espacial , porque além do fato de não poder acha - lo no espaço ainda pode cair e voltar contra nós. Principalmente os EUA que é o país mais desenvolvido nesse setor devia cuidar mais de seus atos pois aqui na terra onde eles ja destruiram praticamente toda sua floresta natural , agora só falta lotar o espaço de lixo também ...

    ResponderExcluir
  14. O lixo especial é uma problema muito sério que atrapalha na exploração do universo pois ao serem atraídos pela gravidade terrestre, forma uma camada de satélites desativados e outras peças dos mesmos que além de estragarem os satélites usados atualmente também impedem a passagem de sondas e ônibus espacial.Não existe tecnologia para remover esses objetos em órbita. Há apenas algumas idéias, como redes gigantes, canhões laser, um painel de espuma para reduzir a velocidade dos satélites, e um lixeiro espacial robótico, mas são caras demais.Assim uma possível solução seria a reativação e movimentação dos mesmos para outros planeta,ficando atmosfera por causa da força gravitacional.
    Isabela de Carvalho Florêncio 1ºano A - Escola General Osório

    ResponderExcluir
  15. Essa notícia nos mostra que o ser humano consegue poluir ate o espaço, onde a lugar ele polui. O lixo espacial além de poluir o espaço, ele polui os oceanos, pois o resíduos que voltam pra Terra poluem uma parte do oceano. Moral da historia, onde haver lugar o homem vai poluir, devemos mudar isso já.
    Luiz Guilherme M.L de Barros 1°b- Escola General Osorio

    ResponderExcluir
  16. No texto, há várias passagens dizendo que "as chances de atingir uma pessoa são remotas" e isso ajuda a diminuir a responsabilidade das empresas exploradoras. Porém, assim como criam tecnologias cada vez mais avançadas para explorar, a tecnologia para remover esses objetos em órbita também deveria ser estudada. Afinal, se o lixo se acumular, ocorrerá uma reação em cadeia e poderá dificultar as explorações. Sendo assim, indubitavelmente, a remoção desses objetos torna-se proporcional aos avanço dos estudos no espaço e corrida espacial.

    Caroline Carvalho, 3ºA - Escola General Osório

    ResponderExcluir
  17. Muita coisa se tem a ser explorada no espaço. Porem, será que já conhecemos a própria terra? os oceanos, fontes de inestimáveis riquezas arqueológicas, e que podem ser a chave para essa busca por respostas ,de onde viemos para onde vamos e se há vida em outros planetas, são muitas vezes desprezados e não levados em conta. O ser humano muitas vezes busca respostas no que pode simplesmente estar em baixo do seu próprio nariz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel Hermann 3ano Escola General Osorio

      Excluir
  18. Como foi dito, o lixo espacial é de responsabilidade de quem possui satélites e/ou de quem promove buscas no espaço e que por lá mesmo deixam seus "brinquedinhos". Estes, eventualmente, se desintegram e poder causar danos tanto aos equipamentos em órbita, bem como ao espaço terrestre. Apesar de serem remotas as chances de acertarem uma pessoa, a responsabilidade continua nos ombros das potências que tem programa espacial ativo. "O lixo espacial é produto do avanço tecnológico.", ou seja, são fatores proporcionais. O avanço tecnológico, sobretudo nessa época, tente e vem crescendo a todo vapor. Consequentemente haverá mais lixo espacial em órbita, todos os anos, ameaçando equipamentos (no espaço) e pessoas na terra. Faxina no espaço não é possível. Custa caro. A questão então é encontrar estratégias que permitam a permanência dos materiais lá no espaço, permitindo a "tranquilidade" da população aqui não terra, que não tem muito a ver com a situação.

    José Augusto Santos - 3ºEM - Escola General Osório '

    ResponderExcluir
  19. Com o desenvolvimento da tecnologia o espaço continuará a ser explorado principalmente através de satélites, que como toda máquina, tem um tempo útil de 'vida'. Entretanto essa tecnologia não é suficiente para diminuir ou eliminar os próprios detritos, como o nosso lixo produzido cotidianamente aqui na Terra, a solução seria então pelo menos expulsar parte desses objetos espaciais de nossa órbita, deixando sua desintegração acontecer no espaço, uma vez que é impossível simplesmente fazê-lo desaparecer.
    Isabela Domingues 3°EM, Escola General Osório

    ResponderExcluir
  20. Existe uma preocupação com o lixo espacial, mas não existem métodos eficientes e econômicos para resolver ou amenizar o problema.
    Infelizmente não há nada que obrigue o país ou a instituição privada que lança o objeto no espaço e deixa o lixo por lá, a assumir as responsabilidades por qualquer problema proveniente de lixos espaciais que provocam danos no espaço ou dentro do planeta. A legislação nesse ponto é falha, pois nada relata a respeito desse grave problema. Também não é interesse para nenhum país que sejam criadas regras que limitem seus lançamentos ou suas ações espaciais.
    Thauane Portela 3ºEM - EGO

    ResponderExcluir
  21. o que adiantou os EUA vencerem a corrida espacial?status?a partir daí o interesse dos humanos pelo espaço só aumentou.
    já não bastava os problemas socias que enfrentamos como a fome,desigualdade,violencia e agora temos um problema espacial.eles gastam uma fortuna para essas missoes para não trazer noticias relevantes(isso quando o passageiro volta) e ainda suja o universo com toneladas de ferro.
    vamos esperar pelo proximo problema que vamos trazer a nos mesmos
    Vinicius nakazato 2 ano A

    ResponderExcluir
  22. Há uma preocupação enorme com os satélites ativos, como para facilitar a comunicação, ou para espiar, monitorar pessoas e países, preocupação que supera os problemas causados pelos satélites já inativos, até recentemente.
    Foi preciso uma regularidade de acidentes envolvendo lixos espaciais para que essa preocupação aumentasse e desde então cientistas pensam numa solução com o mais baixo custo possível para "limpar" a órbita terrestre, o que eles não sabem é que quando se trata de um problema desta magnitude não há preço baixo, são toneladas de resíduos nos cercando, sem contar os problemas ambientais que isto pode gerar, e está gerando.
    Não adianta colocar a culpa em um só país, afinal, muitos outros contribuíram, e contribuem para que este problema se agrave (Incluindo o Brasil). Não há quem de conta de remover todos os destroços por conta própria, outro problema é que os países que tem bases espaciais e satélites não querem se responsabilizar. Enquanto isso mais e mais entulhos vão se acumular.

    ResponderExcluir
  23. Os objetos que estão inultilmente em órbita são bastante perigosos tanto onde estão, por colocarem em risco a vida de astronautas, quanto para os satélites de comunicação que estão em órbita e para a vida no planeta, pois podem a qualquer momento entrar na atmosfera e atingir algo ou alguém.

    Milena Vieira - 1º A EM - EGO

    ResponderExcluir
  24. A terra hoje é envolvida por uma camada metálica de lixo espacial, a aproximadamente nove mil satélites inoperados sobre o planeta, os choques entre eles aumentam o número de fragimentos sobre a órbita terrestre.
    O problemas caudados são: peças atingirem a superficie terrestre ea dificuldade de locomoção das naves. Além da dificil remoção dos destritos os custos são elevados desanimando as agencias espacias.

    ResponderExcluir
  25. Acredito que esses satélites, naves em desuso que se transformam em lixo espacial deveriam ser "guardados" em um lugar apropriado, como é falado no final da notícia, que são as chamadas órbitas-cemitérios que se localizam numa área distante da Terra, que hoje não são usadas por falta de investimentos do governo,pois isso seria uma forma de sanar o "problema" que pode vir acontecer em decorrência a esse lixo, mesmo ainda tendo uma quantidade mínima, acho que esse assunto tem de ser resolvido o quanto antes ou essa "poluição" causará muita preocupação para todos.

    Wiviany Coelho
    EGO 1º ano A- Ensino Médio

    ResponderExcluir
  26. Esses detritos espaciais, que estão em órbita em volta da Terra, só nos trazem preocupações, pois causam grandes riscos de acidentes, e também podem afetar a exploração espacial e o uso de satélites. Apesar de alguns fracassos em relação as tentativas de eliminação dese lixo, uma rápida solução deve ser desenvolvida, antes que nos tragam problemas maiores.

    Milena Ajiki Lopes
    1ºano A EM - EGO

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Todos os objetos lançados, seja qual for ele, para que ou por qual país tem de ser retirado da órbita terrestre.Os custos para tal são altos, mas e os custos de reparação de naves e satélites que estão em "serviço"? A melhor solução seria programar os objetos lançados para que voltassem á atmosfera terrestre para se desintegrarem.Não basta a poluição aqui na Terra, temos que poluir o espaço também?

    Isabela Sampaio 2° ano A

    ResponderExcluir
  29. Desfrutar do universo, pesquisar e tentar descobrir sempre mais são uma das grandes coisas que o ser humano vem tentando fazer. Pode-se notar que vários satélites foram mandados para o espaço a fim de estudar o que existe e para que possamos saber dessa tal existência. Porém, mandamos vários satélites para o universo, mas não os tiramos de lá, o que causa um grande lixo espacial, e que pode trazer varias consequências ruins para nós mesmo. Como foi citado no texto acima: ''Em 2009, o satélite russo Cosmos-2251, lançado em 1993 e, na época, desativado, colidiu com o satélite de comunicações americano Iridium 33. Foi a primeira maior colisão de satélites artificiais na órbita terrestre. Vários detritos foram gerados pelo choque, que destruiu o satélite russo. '' Podemos perceber que pode não só machucar pessoas que aqui vive, mas também pode causar danos a outros satélites. Precisamos encontrar meios de tirar os satélites desativados ou de conseguir encontrar uma maneira de mantê-los lá.

    Brunnielly Pereira da Costa - 1° EM A - Escola General Osório

    ResponderExcluir
  30. Lixo espacial é o nome dado aos objetos presentes na órbita da Terra, criados pelo homem e que não desempenham mais nenhuma função. Estes congestionam o espaço em volta da Terra, com o perigo de causar acidentes graves. Ao contrário do que se pensa, um satélite desativado pode demorar para cair. Estas peças estão orbitando a grande velocidade e podem atingir um satélite ou espaçonave com um impacto muito grande. As peças maiores são normalmente monitoradas pelas agências espaciais, mas as pequenas não têm como serem detectadas. Existem muitos satélites que encerraram sua vida útil e continuam a orbitar a Terra sem nenhuma atividade, sendo todos considerados detritos espaciais, porém com o avanço tecnológico um grupo de cientistas da Suíça criaram um satélite chamado de CleanSpace, capaz de reduzir a poluição espacial da órbita da Terra. Os cientistas pretendem lançar o aparelho em 2017, só que o custo é muito elevado. Infelizmente não há nada que obrigue o país ou a instituição privada que lança algo no espaço e deixa o lixo por lá, assumir as responsabilidades por qualquer problema, além disso não há interesse por parte dos países desenvolvidos que sejam criadas regras que limitem seus lançamentos ou suas ações espaciais.

    Beatriz Rezende do Carmo - 1° EM A - Escola General Osório

    ResponderExcluir
  31. O desenvolvimento tecnológico principalmente nas áreas da ciência espacial, são muito importantes para a evolução do homem e do nosso planeta. Porém esta evolução se torna complicada a partir do momento em que o homem não utiliza a consciência e sua responsabilidade dos prejuízos que pode estar causando quando se procura a tecnologia.
    Mais uma vez, o homem, como já fez na Terra, está se deixando levar pela ideia de evolução e tecnologia competitiva, onde se esquece do acúmulo de lixo espacial que está se formando, envolvendo nosso planeta. Acúmulo que pode ter reflexos na Terra.
    O governo antes mesmo de lançar um satélite deveria arcar com suas responsabilidades econômicas, não visando somente sua ida e pesquisa, e sim arcando economicamente com sua volta para a atmosfera, ou sua desintegração; o que causaria o melhoramento das pesquisas e um planejamento que visa a prevenção do lixo espacial, diminuindo assim, seus números.

    Caroline Turino Battini
    EGO- 1° ano E.M. B

    ResponderExcluir
  32. O grande problema desde o princípio da humanidade foi o lixo, pois até os dias atuais não sabemos elimina-los completamente sem causar algum dano. No caso do lixo espacial, é um pouco mais complexo de se falar, pelo acesso ser um pouco "restrito". Há milhares de satélites no espaço lançados pelo homem, a parte ruim é que todo esse lixo que já não recebem ordens das centrais de comando da Terra, podem cair a qualquer momento, atraídos pela gravidade do planeta. Outro risco, é que os detritos podem colidir com satélites em operação e missões tripuladas, prejudicando a exploração do espaço. Vários cientistas e estudiosos tentam achar uma solução para isso, mas até hoje nenhuma com um resultado significativo. E o pior é que o número de satélites tende à aumentar cada vez mais, pelo avanço e maior exploração da tecnologia.

    Gabriel Matias 1ºB -Escola General Osório.

    ResponderExcluir
  33. O lixo espacial é um grande problema causado pelo ser humano, pois os objetos que estão inutilmente em órbita são bastante perigosos tanto onde estão, por colocarem em risco a vida de astronautas, quanto para os satélites de comunicações que estão em órbita e para a vida no planeta, pois podem a qualquer momento entrar na atmosfera e atingir algo ou alguém. Esses objetos são projetados para serem destruídos ao tentar adentrar na atmosfera, alguns objetos conseguem passar pela atmosfera e atingir áreas habitadas comprometendo a área e a saúde das pessoas.

    Allan Fook 2°B - EGO

    ResponderExcluir
  34. Realmente isso é uma situação bastante perigoso,que deve ser resolvida cuidadosamente,esse lixo espacial bota em risco a vida de varias pessoas,tanto de civis como a vida dos astronautas.o governo poderia investir um pouco mais para a retirada desse lixo espacial,pois assim facilitaria o estudo do espaço e evitaria as colisões de satélites, ônibus espaciais e outros máquinas no espaço.Na minha opinião a retirada desses pedaços de lixo da órbita da Terra seria a melhor opção.Isso inclui a colaboração do Brasil nessa situação.

    ResponderExcluir
  35. O lixo espacial é resultado de pesquisas e trabalhos que não são mais usados e lançados em órbita, mas que já trouxeram e foram retirados seus benefícios para nós. Há uma possibilidade remota dos detritos resultantes das colisões caírem aqui na Terra, mas não podemos pagar com a nossa vida para vê-lo.
    Umas das soluções do lixo aqui na Terra é a reciclagem e o processo biodegradável. Por que não aperfeiçoar esse processo com o lixo espacial? Pode funcionar...

    Matheus Shimabukuro
    EGO ~ 1° ano E.M. B

    ResponderExcluir
  36. Então nos seres humanos chegamos ao absurdo poluir o espaço, não se contendo com poluir a Terra, agora o resultado das pesquisas espaciais mal sucedidas são lançadas em órbita terrestre correndo o risco de a qualquer momento se deslocarem e colidirem o planeta Terra. Os criadores dessa pesquisas mal sucedidas deveriam se responsabilizar pelo despejo desse lixo em um lugar adequado
    Gabriel Sayegh 1°ano B EGO

    ResponderExcluir
  37. Devido à Corrida Espacial, houve um grande aumento na quantidade de lixo que se formou em volta da Terra. Há milhares de satélites no espaço lançados pelo homem,apesar de um satélite desativado demorar para cair, eles podem causar danos significativos na Terra. Uma medida deve ser tomada urgentemente para amenizar essa situação que se agrava cada vez mais.
    Monique Noscetti Martins 1° B Escola General Osorio

    ResponderExcluir
  38. O lixo espacial é um grande problema para o mundo.Mesmo sendo muito raro desse lixo cair na Terra,pode ser que aconteça,e causará danos a população e estabelecimentos,então,é melhor os representantes dos países responsáveis por estes destroços começarem a agir com medidas para destruir ou colocar este lixo longe do nosso planeta.Outro problema causado por estes destroços é a dificuldade de exploração do espaço.Estes destroços além de oferecer risco as pessoas que estão na Terra,pode causar danos em naves e satélites q navegam no espaço e a astronautas que trabalham nelas.

    Giovana M. Marques 2°A Escola General Osório

    ResponderExcluir
  39. o lixo espacial é algo que nas ultimas décadas só aumentou na orbita terrestre ,devido ao avanço da tecnologia que faz com que satélites e outros equipamento que estão na orbita terrestre sejam substituídos por outros mais modernos e ficam vagando sem proposito no espaço
    EGO João Marcelo 1b

    ResponderExcluir
  40. O lixo é composto por restos ou destroços de naves e satélite, que foram se acumulando ao longo dos anos na orbita terrestre. O perigo desse lixo é atingir outro satélite funcionante ou naves. A probabilidade de atingir uma pessoa é remota. Existe uma teoria que na qual o choque entre o lixo e outros objetos pode causar uma reação em cadeia que seria muito perigosa e destrutiva. Existem varias teorias de como se retirar esse lixo, mas ha um grande problema em relação ao custo, responsabilidade e interesses econômicos.

    ResponderExcluir
  41. Por causa da grande quantidade de lixo espaciais hoje existentes em órbita terrestre, ocorre um grande risco de fragmentos de satélites e outros detritos espaciais entrarem na atmosfera terrestre e voltarem para o nosso planeta, porem poucas são as chances de cair em solo habitado. Esses detritos só não são retirados de uma forma que possibilite a segurança, pois não há meios que não gastem uma grande quantidade de dinheiro. Enquanto isso os riscos tendem a crescer por sempre mais e mais objetos serem lançados em orbita e, muitas vezes gerando grande quantidade de fragmentos.
    Tales Oliveira Soares 1º ano B Escola General Osório

    ResponderExcluir
  42. O lixo espacial é proveniente de avanços tecnológicos mas está criando dificuldades para o mesmo e problemas ao planeta Terra. Junto com esses avanços em foguetes e satélites que estão sendo melhorados poderiam vir ideias de soluções para o problema do lixo no espaço.

    ResponderExcluir
  43. O Lixo Espacial é uma questão que envolve muitas opiniões .. pois pode ser muito perigoso para nós mas pode trazer muitos benefícios .. porém na minha opinião eles não estão "despoluindo" o planeta mais sim poluindo o espaço.
    Gustavo Henrique 1°A EGO

    ResponderExcluir
  44. Sendo um dos principais motivos dos acidentes e colisões com naves, satélites e astronautas, o lixo espacial, que nada mais é do que detritos lançados pelo homem na órbita terrestre, esta sendo considerado um problema por colidir com satélites e com missões, o que acaba prejudicando a exploração do espaço. Mas qual é o risco disso para a superfície da terra? Basicamente zero, pois grande parte desses detritos quando voltam para a atmosfera se desintegram ou quando chega alguma parte na superfície, geralmente caem em áreas isoladas tendo em vista que a maior parte do planeta é coberta por água ou áreas desérticas.
    João Antonio Argerin - 3°ano EM General Osório

    ResponderExcluir
  45. Podemos traçar um paralelo entre o lixo espacial e a tecnologia, afinal, á medida que ela avançou, a produção se elevou e o lixo aumentou. Como já foi citado que não existem quase riscos a humanidade, conclui-se que ele tras mais pontos positivos do que negativos; afinal o mundo precisa de informação para evoluir. Naturalmente falando,é, a reciclagem é uma saída.

    ResponderExcluir
  46. O lixo espacial é um problema que já vem sendo discutido por autoridades, todos sabem que o lixo espacial oferece certo risco aos habitantes da terra e que não só pode como já vem atrapalhando novas ações no espaço; mas mesmo assim os governantes parecem não dar muita atenção á esse fato, pois isso custaria muito aos cofres públicos, só que o esses poíticos não estão percebendo que se não houver uma ação um tanto quanto imediata problemas futuros poderão custa mais caro do que a remoção desse lixo do espaço.

    ResponderExcluir
  47. Isto ocorre para uma melhor condição de vida para a humanidade. Começou com a corrida espacial com lançamentos de satélites e ônibus espacias,mais perdeu o controle. Satélites que não são uteis, são descartados ficando na orbita terrestre feito lixo, se acumulando e tornando um lixão espacial.Nós estamos poluindo a terra e o espaço só por ganancia.

    ResponderExcluir
  48. Já é grande o problema do lixo espacial na atualidade, vemos que apos desativado o satélite ou ônibus fica em orbita. Apesar de não ter ocorrido nenhum acidente grave na Terra temos que tomar cuidado, procurar tecnologias para que se resolva esse problema. Falta os governos dos países se organizarem para resolver essa situação. Mas se não resolvemos o problema do lixo que utilizamos, como resolveremos o problema do lixo espacial? Temos que ter um controle, apesar desses satélites ajudarem toda uma sociedade, devemos pensar nas consequências que apos não ter mais utilidade um satélite pode causar. Deve ocorrer toda uma mudança social.
    Raíssa Gabriela Maques 2 ano A e.m e.g.o

    ResponderExcluir
  49. Os avanços tecnológicos dos seres humanos são bons, pois nos fornecem informações preciosas sobre o universo e as outra galáxias, como uma planeta longe da Terra, com características parecidas com as do nosso planeta, porém, as pessoas fingem que não sabem do lixo acumulado em volta da Terra, que, daqui a um tempo, a quantidade será descomunal e a exploração do espaço será impossibilitada por outras tentativas e exploração que ficaram obsoletas e não se desintegraram, ou então desintegraram no espaço e formaram milhões de partículas. É um problema que, de algum modo, deverá ser resolvido agora, para que possamos avançar um pouco mais sem outros problemas como esse.
    Isabela G. Yassaka 1° ano B, EM, EGO

    ResponderExcluir
  50. Temos tecnologia para construir ônibus espaciais, mas não temos criatividade para reciclar esses materiais.
    O ser humano está mostrando cada vez mais que é um ser com uma capacidade infinita de destruir as coisas. Prova disso é que não estamos somente acumulando lixo em nosso planeta, mas também fora dele.

    Willian de Assis - 2º ano B - EGO

    ResponderExcluir
  51. O lixo espacial é um problema triplo para a humanidade: aumenta o risco de um desses detritos cair na terra, aumente o risco de satélites se chocarem, dificulta o lançamento de foguetes, satélites, telescópios e sondas.
    O GPS, o telefone são muito importantes sim. Mas as empresas não precisam de seus próprios satélites. Uma rede de satélites internacional que seja aluga pela ONU, por exemplo, solucionaria o problema em parte.

    Felipe Azevedo Jacob, 1º ano A

    ResponderExcluir
  52. O lixo espacial vem a muito tempo sendo acumulado na orbita terrestre, proveniente de empresas que simplesmente depois de usados sao deixados a mercê do espaço, onde podem vir a entrar em combustao na atmosfera da terra e atingir a crosta, assim prejudicando algo.
    Esses dejetos deveriam ser recuperados, para reciclagem. O custo é alto mas talvez esse custo possa ser quitado com a diminuição de gastos que sera feita com a reciclagem desses objetos para construir outros, mais novos, e assim acabar com esse entulho espacial.

    ResponderExcluir
  53. O lixo espacial oferece grande perigo, tanto aos astronautas, cujas vidas passam a correr riscos, quanto à vida no planeta, já que os satélites de comunicação, em órbita, podem, a qualquer momento, entrar na atmosfera e atingir um animal, uma estrutura física ou a alguém diretamente, apesar das remotas chances.
    A legislação nesse ponto é falha, pois não há nenhuma lei que obrigue um país ou instituição privada, lançadores de satélites ou sondas espaciais, a resolver a questão.
    Assim, lixos são deixados no espaço, e ninguém assume as responsabilidades por qualquer futuro problema. Para majorar a dificuldade, nenhum país desenvolvido interessa-se a publicar leis que limitem seus lançamentos ou ações espaciais.

    ResponderExcluir
  54. Como mostrado na materia muito satélites e ônibus espaciais foram lançados para facilitar nossa vida, contribuindo para a descoberta de novas informações. No entanto, isso acabou gerando um grande problema para o mundo inteiro.O lixo espacial oferece grande perigo, tanto aos astronautas.
    Bianca Paes 2°A

    ResponderExcluir
  55. Na reportagem podemos observar que o avanço tecnológico da humanidade é uma grande qualidade para nosso planeta, porém há alguns riscos causadas por eles.Os lixos espaciais estão sendo cada vez mais frequentes, mas ninguém se preocupa com os riscos que podem causar ao planeta,pois ninguém irá assumir a responsabilidade caso ocorra de um desses lixos entrar na atmosfera podendo atingir algo e causando um grande estrago. Nesse ponto podemos observar a parte ruim dos avanços.

    LETÍCIA DE ALMEIDA PADILHA 1ºB

    ResponderExcluir
  56. Com certeza seria de grande risco se algum lixo entrasse em órbita; podendo chegar a velocidades imensas podendo atingir alguém, isso é uma hipótese quase não real.
    Existem muitas coisas coisas no espaço que nem sonhamos que exista, devemos apenas estar cientes que existem.

    ResponderExcluir
  57. Os satélites e ônibus espaciais foram lançados com o intuito de contribuir para a descoberta de novas informações para o ser humano. Mas isso acabou gerando um sério problema. O grande número destes estão causando uma grande polêmica, pois muitos foram desativados e permanecem intactos, apenas se acumulando, o que acaba aumentando o número de entulhos e levando a formação do que chamamos de lixo espacial. E o problema só tende a aumentar futuramente.

    Fernanda Arissa
    2º E.M. A

    ResponderExcluir
  58. Como vimos, nossa poluição não afeta somente nosso planeta, mas também o espaço. O lixo espacial é preocupante pois se agravado pode inviabilizar pesquisas mais profundas sobre o universo e os corpos celestes. Uma solução deveria ser trabalhada imediatamente, antes que seja tarde demais.
    Miguel Barreto - 1º Ano A - EGO

    ResponderExcluir
  59. Os testes espaciais são essenciais para que possamos continuar a esporar a imensidão do nosso universo, mas para tal avanço a consequências como o lixo espacial, esses destroços que vagam pelo espaço acabam de ser prejudicial como o próprio texto falou podendo causar danos a satélites entre outros.
    Beatriz Rocha 1°ano B

    ResponderExcluir
  60. Quando falamos em meio ambiente, logo vem a idéia do ambiente terrestre tradicional, o qual acabou sendo dividido em meio ambiente: físico, natural, cultural e do trabalho. Não podendo ser esquecido ainda o meio ambiente marinho. Mas e o espaço, o ambiente fora da Terra, ou seja o ambiente espacial? Pode ser estudado e classificado como meio ambiente espacial? A resposta é SIM! já que com o aumento da exploração espacial estamos começando a utilizar este espaço outrora inacessível, deixando muito "lixo espacial" ao redor do nosso planeta, colocando em risco não só as espaçonaves tripuladas como as cidades e mesmos áreas rurais e naturais com as quedas destes artefatos, inclusive pela radioatividade que pode existir em alguns casos e tornam-se perigosos pois colocam em risco as naves e satélites artificiais, devido a possíveis colisões.

    THAISE 3º EM EGO

    ResponderExcluir
  61. Após tantos anos de exploração da órbita da Terra não se atentou para o que fazer com os equipamentos que saíram de uso. A grande quantidade de lixo espacial, além de oferecer risco de queda, ainda dificulta novas pesquisas devido ao congestionamento do espaço.

    Leonardo Ramos V. Moreira 2º B

    ResponderExcluir
  62. com o tempo muitos equipamentos saíram de uso e o que fazer com esse lixo? esse lixo e depositado na atmosfera e em alguns casos eles podem cair na terra, e quem se responsabiliza por esses detritos? geralmente é o país que lançou esses equipamentos ao espaço.

    Jhonatans Rezende Nº 12 2ºA

    ResponderExcluir
  63. O descuido que as pessoas tem com seu lixo na terra,se mostra o mesmo com os satélites desativados.Enquanto não estivesse atrapalhando e causando problemas,só continuaria aumentando.Agora teremos que resolver um problema que é causado pela nossa falta de cuidado e que sera mais difícil resolver agora,e enquanto não for resolvido estará atrapalhando as pesquisas espaciais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ariane Hoff,2 ano A, Escola General Osório

      Excluir
  64. O ser humano não se cansa de poluir, depois de lotar a Terra de lixo, o espaço é o próximo alvo. Durante anos esse lixo foi acumulado em orbita da Terra, podendo causar acidentes quando entram na atmosfera. A questão é, se a Terra já esta cheia de lixo, onde vamos colocar o lixo espacial?
    Eduardo Medeiros 1anoB EGO

    ResponderExcluir
  65. O lixo espacial está se tornando um enorme problema. Milhares de pequenos e grandes detritos sao lancados da Terra e deixados em orbita. Esses detritos podem perfurar satelites, estacoes espaciais e ate astronautas. E muito mais além, podem ate ser confundidos com ovnis por pessoas que nao buscam uma explicacao para o que vêem.

    Camilla Ribeiro, 1ºB

    ResponderExcluir
  66. Devido à Corrida Espacial, muito satélites e ônibus espaciais foram lançados para facilitar nossa vida, contribuindo para a descoberta de novas informações. No entanto, isso acabou gerando um problema, o lixo espacial, se não forem tomadas medidas para amenizar essa situação,esse problema poderá tomar grandes proporções no futuro sendo difícil a sua solução.Seria adequada, a descoberta de um meio, não tão caro com as ideias que existem atualmente, para poder ao menos amenizar esse lixo espacial, para que o mesmo não gere maiores problemas no futuro.
    Ibrahim Ismail 1anoB-EGO

    ResponderExcluir
  67. O lixo espacial é mais uma das milhares consequências causadas pelo próprio ser humano. Parece que não bastava só poluir a Terra em si, agora estamos sofrendo pelo que viemos acumulando e deixando sem supervisão lá no espaço. Como resolver o acúmulo de detritos espaciais e satélites desativados soltos por aí? Felizmente, com os avanços da tecnologia, temos como evitar maiores desastres desses resíduos, mas é preciso começar a cuidar e controlar o índice de lixo não só jogado aqui, como no espaço também, pois não sabemos das maiores consequências que podem ocorrer...

    Escola General Osório
    Giovanna S. Savelli
    2ºB EM

    ResponderExcluir
  68. Esse lixo espacial anada trazendo muitas preocupações que podem vir a se tornar problemas realmente sérios. Foi uma sorte as peças que caíram não terem atingido um centro ou coisa parecida. Eles devem continuar tentando e se esforçar ao maximo para sumir com o risco qua esse lixo pode ser para as pessoas sendo destruí-los ou isolá-los no espaço.

    Juliana Arias 1°ano A EM EGO

    ResponderExcluir
  69. Por causa da Corrida Espacial, muito satélites e ônibus espaciais foram lançados para facilitar nossa vida, ajudando na descoberta de novas informações.Mas a maioria desses satélites que foram desativados não foram recolhidos e estão no mesmo lugar sem prestar para nada.O lixo espacial não afeta somente nosso planeta, mas também o espaço.Deveriam começar a recolher o lixo espacial pois se não tudo vai piorar.
    Caique Kazu Ishii 1ºB

    ResponderExcluir
  70. De certo modo, reconhecemos que vivemos num mundo onde a tecnologia recebe grandes avanços; destacando a área da ciência espacial, por um lado são feitas descobertas extremas e revolucionárias; por outro, várias consequências se não bem resolvidas envolverão o prejuízo tanto terrestre quanto espacial. Os satélites e ônibus espaciais enviados para a órbita do nosso planeta agravou um grande problema, a poluição espacial. Estes objetos depois de utilizados são desativados, acumulam-se no local e ainda pode acontecer de detritos virem a cair sobre a Terra. Portanto, não podemos simplesmente deixar por incompleto as nossas ações; quando enviados para o espaço, a remoção também deve ser realizada. Recursos para tal medida podem ser caros, porém, necessários; por isso procura-se a maior responsabilização dos órgãos provedores de certas expedições, e até mesmo a criação de métodos eficientes para diminuir o lixo espacial.

    Fernanda Ayumi Manabe
    1ºano A - E.M

    ResponderExcluir
  71. Os satélites espaciais, simbolos do avanço da tecnologia, nos fornecem dados importantes mas com o tempo, a vida útil destes se esgota e eles acabam sendo desligados. Não são recuperados/retirados, devido ao elevado custo, juntando-se na órbita e formando o lixo espacial. Talvez este seja o preço a se pagar pela informação, mas se faz necessária uma solução a fim de que essa massa de lixo não aumente, aumentando consequentemente as chances destes satelites atingirem o planeta.
    Débora Sato 2ºA

    ResponderExcluir
  72. A poluiçao espacial é mais outro problema causado pelo homem, até hoje ela nao causou muitos incidente, e esses incidentes que ocorreram foi em areas nao populadas. A forma tradicional de tirar esses detritos é esperar até que eles caiam naturalmente na terra, há mecanismo que podem tira-los de orbitas, mas eles ainda sao muito primitivos.
    Kethelen Jacob 1A

    ResponderExcluir
  73. Quanto maior a altitude de um lixo espacial, mais tempo ele permanecerá em órbita. Por exemplo, destroços que estão numa altitude em torno de 600 km levam anos para entrar na atmosfera da Terra, enquanto que numa elevação de 1000 km eles demoram séculos. O lixo espacial representa mais perigo para satélites ativos e naves espaciais tripuladas no espaço (e futuras expedições espaciais) do que propriamente aos habitantes da Terra, pois, ao entrar em contato com a atmosfera, grande parte dos destroços é queimada e destruída. Os que conseguem atravessar essa barreira geralmente caem nos oceanos, já que estes representam 75% do volume do planeta. A tecnologia ainda não conseguiu produzir um equipamento capaz de recolher o lixo espacial. A única solução plausível até o momento é direcionar os satélites para as chamadas órbitas-cemitério, o que seria basicamente programar um satélite para seguir uma rota orbital distante da Terra, assim que seu tempo útil se esgotasse. O cenário mais remoto, porém fisicamente demonstrável, é a Síndrome de Kessler. A hipótese, apresentada por um físico da Nasa, sustenta que haverá um momento em que o espaço terá tantos detritos que será impossível utilizá-lo para as necessidades da humanidade. Isso porque, quando dois objetos se chocam, eles geram mais fragmentos, multiplicando assim o número de elementos em órbita.
    Marina, 3°EM, EGO

    ResponderExcluir
  74. O lixo espacial já acontece na orbita do nosso planeta o que é um problema para a vida na terra e no espaço, pois há probabilidades de acerta alguem. é um problema para as missoes espaciais pois há uma barreira cujo nao deixa ocorrer passagem para outro planeta.
    soluçao para isso até existe, porém, os custos sao muito elevados o que faz com que a NASA nao consiga solucionar o problema.
    Anna Virghinia Borges Fook- 3°E.M.

    ResponderExcluir
  75. O lixo espacial é composto por detritos de naves, combustíveis, satélites desativados, lascas de tinta, pedaços de foguetes, objetos metálicos e até mesmo de ferramentas perdidas por astronautas durante as suas explorações espaciais. Hoje em dia, com a evolução tecnológica, , há cerca de 800 satélites ativos em órbita, e especialistas no assunto afirmam, que a órbita terrestre se transformou em um "vasto lixão espacial". Para a saúde do planeta Terra, o lixo espacial não a menor importância, já que representa uma quantidade de massa insignificante. Caso o espaço se torne inutilizável devido ao acúmulo desse lixo, quem mais vai sofrer com isso, será a própria sociedade. O grande problema é a probabilidade desses fragmentos danificarem equipamentos necessários para o homem, pois os satélites que atualmente estão em órbita, são responsáveis por transmitir dados, sinais de televisão, rádio e telefone, sem contar os equipamentos que observam a Terra, fornecendo informações sobre mudanças climáticas, antecipando fenômenos naturais e auxiliando no mapeamento de áreas.

    Vanessa K. - 3º E.M. - E.G.O.

    ResponderExcluir
  76. O lixo espacial acaba se tornando um problema devido ao seu excesso lançados na órbita do planeta, criando riscos para futuros lançamentos de satélites, missões espaciais e remotamente à segurança das pessoas na Terra. O material deixado á deriva no espaço acaba por não se desintegrando, já que não existe nenhum ser vivo que decomponha esses detritos, sendo assim o lixo espacial acaba se tornando responsabilidade de órgãos como a NASA entre outros para retirar esse lixo, mesmo que necessite um alto investimento, mas que acaba por se tornando necessário.

    Leonardo K. Shinzato - 3°EM - EGO

    ResponderExcluir
  77. Depois de alguns anos o lixo espacial que esta na orbita volta pra terra.Isso pode levar pouco tempo, ou 200 anos, ou até mais de 500 anos.Mas quando o lixo volta, sua velocidade é tão grande, que ao entrar em atrito com o ar da atmosfera ele se queima e se desintegra antes de atingir o solo.Só que existem pedaços de lixo muito grandes que podem sobreviver a uma queda pela atmosfera e espatifar no solo.Entao, nesse caso, pode-se esperar que ele caia no mar (70% de probabilidade mais ou menos), ou entao mandar um missil teleguiado para destruir o lixo antes que ele caia na terra.

    ResponderExcluir
  78. O problema do lixo espacial, é a danificação de ônibus espaciais, foguetes expedições espaciais em geral, um problema para o desenvolvimento de pesquisas e avanços para a civilização, podendo gerar riscos a vidas de astronautas e até de pessoas que estão no solo, algum desses destroços podem cair e matar alguém!

    ResponderExcluir